André Lajst

Na segunda-feira (03), as Forças de Defesa de Israel (IDF) lançaram uma operação de combate ao terrorismo em Jenin, com o objetivo de desmantelar grupos terroristas que operam na cidade.

Até agora, o exército israelense descobriu três enclaves terroristas com mais de 300 explosivos prontos para serem usados em ataques contra civis israelenses.

Mas o que é Jenin e como chegamos aqui?

Jenin é uma cidade com mais de 50 mil habitantes no norte da Cisjordânia.

Dentro da cidade, há um campo de refugiados administrado pela UNRWA, a agência da ONU que atende refugiados palestinos e seus descendentes.

Jenin está na Área A da Cisjordânia, o que significa que é governada pela Autoridade Palestina.

No entanto, o controle do governo palestino sobre a área vem diminuindo.

Vítimas do atentado suicida no restaurante Maxim em Haifa, em 2003, realizado por um terrorista de Jenin.

Terroristas têm operado em Jenin por décadas. Durante a Segunda Intifada (onda de violência e terrorismo direcionada a civis israelenses ocorrida de 2000 a
2005), mais de 30 terroristas suicidas foram enviados de Jenin para assassinar israelenses.

Em março de 2002, as forças de defesa israelenses lançaram a Operação Escudo Defensivo para deter esses ataques mortais.

Após a Segunda Intifada, a cooperação de segurança israelo-palestina aumentou.

As forças de segurança do governo palestino combateram o terrorismo de forma mais eficaz por conta própria, e as operações do exército israelense em Jenin diminuíram como resultado.

Nos últimos anos, entretanto, a Autoridade Palestina tem sido incapaz de impedir que grupos terroristas operem em Jenin.

Autoridades israelenses afirmaram que a falta de governança do governo palestino na área possibilita a atividade terrorista, enquanto o governo palestino culpou Israel por minar seu poder.

Várias organizações terroristas operam em Jenin, incluindo Hamas, Jihad Islâmica Palestina (PIJ, na sigla em inglês), Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa e grupos mais recentes, como o Batalhão de Jenin.

Muitos ataques terroristas contra civis israelenses foram realizados a partir de lá, como parte de uma onda de violência na qual 23 israelenses foram assassinados.

A transferência do corpo de Tiran Ferro de Jenin (Foto: COGAT)
O Batalhão de Jenin (também chamado de Brigadas de Jenin) é uma rede terrorista criada, em 2021, por membros de vários grupos terroristas.

Em 2022, o Batalhão sequestrou o corpo do adolescente druso israelense Tiran Ferro, de um hospital em Jenin, depois que ele ficou ferido em um acidente de carro e não resistiu aos ferimentos.

Somente após protestos dos cidadãos drusos e ameaças de retaliação, o corpo de Ferro foi devolvido à sua família.

O Exército de Israel entrou em Jenin várias vezes neste ano para fazer prisões e impedir que grupos terroristas operassem na cidade. Isso resultou em confrontos com facções militantes dos grupos terroristas.

Em 2022, o governo palestino tentou aumentar as prisões e reprimir os grupos terroristas da cidade, mas isso não impediu a escalada das tensões.A violência em Jenin representa uma séria ameaça.

Grupos terroristas como o Batalhão de Jenin têm chamado a atenção do regime iraniano, que tem como objetivo espalhar instabilidade por toda a região.

Grupos terroristas também estão ganhando apoio: uma pesquisa de março de 2023 constatou que 58% dos palestinos “apoiavam o retorno aos confrontos armados e à intifada” (fonte: Palestinian Center for Policy and Survey Research).

A operação em Jenin está em andamento, e forneceremos atualizações sobre quaisquer desenvolvimentos significativos.

Grupos terroristas em Jenin buscam assassinar israelenses e também estão prejudicando palestinos inocentes ao operar em áreas civis. Esses grupos nem mesmo admitem a autoridade do governo palestino.

Esperamos que essas organizações terroristas sejam detidas o mais rápido possível, em benefício de todos na região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *